Quem conta um cont@...

 




     A criação da página no blog intitulada “Quem conta um conto...” que tenta responder a frase sempre aumentando um ponto, é um espaço de escrita colaborativa e interativa em que os alunos do 2º ano do curso de Finanças, juntamente com a professora orientadora do projeto, Josélia,  escrevem contos com temáticas orientadas que ilustrarão o espaço central do Diário Virtual como também serão leituras constantes nesta página criada especialmente para tal fim.  

CONTO 01: Obra do destino

            O sol nascia lindo para os pequenos moradores da cidade de Ninai. Com o clarão, eles acordavam prontos e dispostos a continuar os afazeres do cotidiano. Entre todos eles, existia um especial, Júnior, um pequeno cidadão órfão de 13 anos, que ralava muito para se manter vivo naquela cidade. Todas as manhãs, ele acordava cedo para trabalhar com seu velho e pequeno violão.
            Um dia muito exausto daquela vida, decidiu pedir ajuda a um grande homem, rico e de expressão rude que via todos os dias, conhecido como Querêncio, o grande prefeito daquela pequeníssima cidade.
-Senhor Prefeito, será que o patrão poderia me ajudar?
              Com um grande tom de ironia, o prefeito dá um sorriso e diz:
- Você está de gozação com a minha cara não é? –lança um sorriso irônico. -Por acaso, sabe fazer alguma coisa?
-Eu sei cantar e tocar. – responde humildemente o rapaz.
-Vá procurar seus pais! Deixe-me em paz, moleque!
-Mas, Prefeito, eu não tenho pais, afinal fui abandonado quando tinha cinco anos.
-Deixa de manha, moleque. Vai procura o que fazer, vai...
            Desconsolado e chorando de cabeça baixa, o garoto sai vagando pelas ruas, quando esbarra em uma mulher muito linda e exuberante que passava por ali. Com muita educação, pedi-lhe desculpas:
-Desculpe, estava distraído.
            Ao ver aquela criança chorando, todo sujo e maltrapilho, e por notar sua educação, dá-lhe total atenção:
-Criança, o que aconteceu? E por que chora tanto?
- Foi nada não moça. Nada. - respondeu tristemente o rapaz.
            Sem obter resultado, a linda mulher volta a perguntar:
-Qual o seu nome? Por que choras? Talvez, possa lhe ajuda.
            Na esperança de poder ser ajudado, o Júnior relata todo o ocorrido para aquela mulher, que emocionada lhe propõe uma ideia:
-O que você acha de ir até São Paulo? Acho que posso lhe fazer famoso, pois você tem educação de sobra e afinal, parece cantar muito bem. Você aceita?
-Mas é claro! – responde o rapaz muito empolgado.
            Por não ter nada e ninguém, Sandra leva Júnior até uma emissora de grande porte da cidade de São Paulo, e o inscreve num programa de talentos para jovens cantores.
Chega o grande dia da apresentação de Júnior. Ele estava muito nervoso, mas sabia que essa seria sua grande oportunidade, e nem mesmo o nervosismo iria atrapalhá-lo. E Sandra percebendo o nervosismo de Júnior antes da apresentação, lhe diz algumas palavras:
-Júnior, talvez sua vida mude por completo depois dessa apresentação, mas não tenha medo de fracassar. Você vai conseguir, acredite em você mesmo!
-Eu sei. – afirma o jovem cantor.
            Então, chega a hora da apresentação e todo o Brasil ligado na emoção do magnífico Júnior, até mesmo uma velha senhora de 40 anos que morava em Ninai, que por muito vagar nas ruas o conheceu. Rapidamente, corre e avisa a todos os moradores da cidade, inclusive ao prefeito, que interessado em ver na ocasião uma grande oportunidade de fazer sua cidade famosa e lucrar com o sucesso do garoto.
            Júnior se apresenta e emociona os jurados, que muito felizes lhe dão uma chance e o chamam para trabalhar na emissora, tornando-se assim, um fenômeno de grande sucesso.
Alguns dias depois da primeira apresentação rumo ao sucesso, Júnior recebe uma visita inesperada no hotel onde estava hospedado com Sandra, o prefeito de sua cidade. Que o questiona:
-Como vai Júnior, se lembra de mim?
-E como não lembraria.- responde o rapaz.
-Pois bem, gostaria que viesse comigo, pois posso fazer com que nossa cidade cresça em prol de seu sucesso. O que acha?
            E Júnior indeciso, com o que o prefeito lhe diz, fala:
-Você lembra, quando estava necessitando de sua ajuda, e você me deu às costas?
-Não, eu não lhe dei às costas, apenas não sabia sua real situação, mas agora que sei gostaria que viesse comigo.
-Mas é claro que eu não vou.
-Por quê?
-Sabe por que, senhor Prefeito?
-Não.
-Porque “há três coisas que não se voltam atrás, a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.” E você deve aprender a valorizar o potencial das pessoas, independente de sua condição financeira ou social, porque somos iguais diante de Deus.
            Nisso, o prefeito se desmanchou em lágrimas e refletiu sobre sua ação impensada. E hoje Júnior é um cantor reconhecido nacionalmente.
                                                                                                 Roberto Monteiro
 
CONTO 02: O preço da vida



Podia parecer um dia normal, mas não era. Os pássaros pairavam pelo ar, as borboletas dançavam com o vento e os humanos continuavam em sua rotina corriqueira.
Um crime, uma entrega, um homem, uma vida e o dinheiro em volta de tudo. Além disso tudo, a vida dando sempre opções. O homem escolheu o dinheiro e pôs fim a uma vida, o homem escolhe a vida e cede o dinheiro e seu sonho. Aquele que escolheu o dinheiro e matou como consequência foi perseguido pela polícia, para não perder o dinheiro o escondeu, foi preso em seguida para passar o resto de sua vida pensando sobre suas decisões, vendo o sol nascer quadrado. Pouco tempo passa e esse dinheiro é encontrado por um cidadão que observa a natureza, e pensa:
- Eu sempre fiz boas ações. Uma a mais ou a menos não vai fazer falta, vou realizar o sonho de alguém, é uma coisa boa.
       Depois de comprar seu sonhado carro foi visitar seu amigo no hospital. Ele estava bem, com os mesmos olhos azuis, que tinham um brilho encantador e com uma voz que acalentava e transmitia paz ao mundo.
- Amigo, não se preocupe, já paguei sua cirurgia. O médico lhe operará logo e em breve sairemos juntos no meu carro novo para passear. Com aquele olhar amigo e protetor o paciente fala:
- Como você conseguiu comprar um carro e pagar a cirurgia?
- Não se preocupe, deu certo!
- Fico feliz por você.
         O visitante sai do hospital e volta para casa a fazer planos para o futuro. 
Ao amanhecer vai visitar seu companheiro e descobre que ele não está mais entre seus entes queridos, ao invés de chorar, entra em desespero e quer saber o porquê, já que a operação não era de risco e é surpreendido ao saber que o médico não realizou a cirurgia porque o procedimento não foi pago.
Então como um cidadão consciente de seus direitos não fez mais escândalo e seguiu até a delegacia para contar o que aconteceu, o delegado lamenta e diz que não pode punir o médico, pois ele esteve na delegacia na manhã do dia anterior e denunciou a morte de seu secretário e o roubo do seu  dinheiro, que o ladrão apesar de ser ameaçado não contou por um bom tempo e quando por tortura falou onde escondeu o dinheiro, não o acharam  neste lugar, e desta forma, o ladrão foi condenado a prisão perpétua.
O cidadão se desmanchou em lágrimas nesse momento, pois por uma atitude desonesta, de não devolver o dinheiro encontrado, foi o preço da vida de seu melhor amigo.
                                                                                       Abigail Ada- 2ª ano de Finanças



Comentários

  1. Parabéns Roberto! Seu conto ficou ótimo, continue com sua criatividade. Valeu apena todo seu esforço.

    Thaynara R.
    Finanças II.
    =3
    =>

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Roberto! O conto ficou ótimo, seu esforço, dedicação na realização do trabalho no final valeram a pena, pois o resultado foi satisfatório.
    Cristiano S'
    Finanças II

    ResponderExcluir
  3. parabens para quem fez eu gostei muito e é muito legal.

    kenia mara enfermagem2

    ResponderExcluir
  4. O conto Obra do Destino nos leva a refletir sobre a real ação humana sobre a determinada situação tão simples e fácil que é AJUDAR. Atualmente, as pessoas não valorizam mais os semelhantes maltrapilhos ,os julgam sem nem ouvir o que eles têm a dizer desprezando-os como se fossem qualquer coisa.E é isso que o conto mostra como o Ser Humano pode ser egoísta e interesseiro, mas o verdadeiro lado bom do conto é a generosidade da mulher que ofereceu ao menino uma bela oportunidade que mudou a sua vida, onde a melhor parte está no desfecho e nas lágrimas de arrependimento do prefeito por tamanho descaso a situação financeira e familiar do menino. Parabéns Roberto pelo conto ele faz com que venhamos a repensar a condição humana no que se refere a caridade e ao respeito.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns aos criadores e incentivadores da página, muito bacana mesmo. O conto é uma oportunidade de viajar pela imaginação contando acontecimento qe fazem parte da nossa realidade. Espero que continuem com o projeto e que obtenham sucesso.

    Finanças III

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Roberto!! Valeu apena todo o seu trabalhoo...
    Abigail tamb amei o seu contoo'!! Parabéns'!!

    ResponderExcluir
  7. Quero primeiramente parabenisar aos alunos Roberto Monteiro e Abigail Ada pela grande criatividade dos contos. Tambem pelaecelente historia, pois mostra exemplos de vida, coisas que acontece no nosso dia a dia.
    Gostei bastante. Parabens aos dois!!!

    Fabricio Coelho
    Fianças 3

    ResponderExcluir
  8. Arrasaram Abigal e Roberto, Parabéns belíssimos contos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O CARNAVAL DE ONTEM E HOJE

As tão sonhadas férias chegaram e...

Vamos travar a língua?