M@teriais C@mplement@res!


     Para ampliar seus arquivos de leitura, segue abaixo o link do site Domínio Público para realizar pesquisas e fazer download de obras clássicas. Aproveite!!


   As turmas de 2º ano de Informática, Hospedagem e Enfermagem da EEEP Aracati por sugestão da disciplina de Língua Portuguesa sob a orientação da professora Marília Costa durante o 1º bimestre de 2013 têm a tarefa de leitura dos seguintes clássicos da literatura mundial.
     Os livros podem ser encontrados na biblioteca da escola ou estão disponíveis nos endereçoes eletrônicos sugeridos logo abaixo. 
                                                                                                   Boa leitura a tod@s!

Os miseráveis de Victor  Hugo 



Romeu e Julieta de William Shakespeare

 

O morro dos ventos uivantes de Emile Bronte 


LISTA DE LIVROS

É só clicar no título para  ler ou imprimir.

1. A Divina Comédia -Dante Alighieri 2. A Comédia dos Erros -William Shakespeare 3. Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa 4. Dom Casmurro -Machado de Assis 5. Cancioneiro -Fernando Pessoa 6. Romeu e Julieta -William Shakespeare 7. A Cartomante -Machado de Assis 8. Mensagem -Fernando Pessoa 9. A Carteira -Machado de Assis 10. A Megera Domada -William Shakespeare 11. A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William Shakespeare 12. Sonho de Uma Noite de Verão -William Shakespeare 13.. O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa 14. Dom Casmurro -Machado de Assis 15.. Do Livro do Desassossego -Fernando Pessoa 16. Poesias Inéditas -Fernando Pessoa 17. Tudo Bem Quando Termina Bem -William Shakespeare 18. A Carta -Pero Vaz de Caminha 19. A Igreja do Diabo -Machado de Assis 20. Macbeth -William Shakespeare 21. Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago 22. A Tempestade -William Shakespeare 23. O pastor amoroso -Fernando Pessoa 24. A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós 25. Livro do Desassossego -Fernando Pessoa 26. A Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de Caminha 27. O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa 28. O Mercador de Veneza -William Shakespeare 29. A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde 30. Trabalhos de Amor Perdidos -William Shakespeare 31. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 32. A Mão e a Luva -Machado de Assis 33. Arte Poética -Aristóteles 34. Conto de Inverno -William Shakespeare 35. Otelo, O Mouro de Veneza -William Shakespeare 36. Antônio e Cleópatra -William Shakespeare 37. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões 38. A Metamorfose -Franz Kafka 39. A Cartomante -Machado de Assis 40. Rei Lear -William Shakespeare 41. A Causa Secreta -Machado de Assis 42. Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa 43. Muito Barulho Por Nada -William Shakespeare 44. Júlio César -William Shakespeare 45. Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente 46.. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 47. Cancioneiro -Fernando Pessoa 48. Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -Fundação Biblioteca Nacional 49. A Ela -Machado de Assis 50. O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa 51. Dom Casmurro -Machado de Assis 52. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho 53. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 54. Adão e Eva -Machado de Assis 55. A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo 56. A Chinela Turca -Machado de Assis 57. As Alegres Senhoras de Windsor -William Shakespeare 58. Poemas Selecionados -Florbela Espanca 59. As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo 60. Iracema -José de Alencar 61. A Mão e a Luva -Machado de Assis 62. Ricardo III -William Shakespeare 63. O Alienista -Machado de Assis 64. Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa 65. A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne 66. A Carteira -Machado de Assis 67. Primeiro Fausto -Fernando Pessoa 68. Senhora -José de Alencar 69. A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães 70. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 71. A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca 72. Sonetos -Luís Vaz de Camões 73. Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos 74. Fausto -Johann Wolfgang von Goethe 75. Iracema -José de Alencar 76. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa 77. Os Maias -José Maria Eça de Queirós 78. O Guarani -José de Alencar 79. A Mulher de Preto -Machado de Assis 80. A Desobediência Civil -Henry David Thoreau 81. A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio 82. A Pianista -Machado de Assis 83. Poemas em Inglês -Fernando Pessoa 84. A Igreja do Diabo -Machado de Assis 85. A Herança -Machado de Assis 86. A chave -Machado de Assis 87.. Eu -Augusto dos Anjos 88. As Primaveras -Casimiro de Abreu 89. A Desejada das Gentes -Machado de Assis 90. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa 91. Quincas Borba -Machado de Assis 92. A Segunda Vida -Machado de Assis 93. Os Sertões -Euclides da Cunha 94. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa 95. O Alienista -Machado de Assis 96. Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra 97. Medida Por Medida -William Shakespeare 98. Os Dois Cavalheiros de Verona -William Shakespeare 99. A Alma do Lázaro -José de Alencar 100. A Vida Eterna -Machado de Assis 101. A Causa Secreta -Machado de Assis 102. 14 de Julho na Roça -Raul Pompéia 103. Divina Comedia -Dante Alighieri 104. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós 105. Coriolano -William Shakespeare 106. Astúcias de Marido -Machado de Assis 107. Senhora -José de Alencar 108. Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente 109. Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo 110. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis 111. A 'Não-me-toques' ! -Artur Azevedo 112. Os Maias -José Maria Eça de Queirós 113. Obras Seletas -Rui Barbosa 114. A Mão e a Luva -Machado de Assis 115. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco 116. Aurora sem Dia -Machado de Assis 117. Édipo-Rei -Sófocles 118. O Abolicionismo -Joaquim Nabuco 119. Pai Contra Mãe -Machado de Assis 120. O Cortiço -Aluísio de Azevedo 121. Tito Andrônico -William Shakespeare 122. Adão e Eva -Machado de Assis 123. Os Sertões -Euclides da Cunha 124. Esaú e Jacó -Machado de Assis 125. Don Quixote -Miguel de Cervantes 126. Camões -Joaquim Nabuco 127. Antes que Cases -Machado de Assis 128. A melhor das noivas -Machado de Assis 129. Livro de Mágoas -Florbela Espanca 130. O Cortiço -Aluísio de Azevedo 131. A Relíquia -José Maria Eça de Queirós 132. Helena -Machado de Assis 133. Contos -José Maria Eça de Queirós 134. A Sereníssima República -Machado de Assis 135. Iliada -Homero 136. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco 137. A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco 138.. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões 139. Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage 140. Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco. -Fernando Pessoa 141. Anedota Pecuniária -Machado de Assis 142. A Carne -Júlio Ribeiro 143. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós 144. Don Quijote -Miguel de Cervantes
145. A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne 146. A Semana -Machado de Assis 147. A viúva Sobral -Machado de Assis 148. A Princesa de Babilônia -Voltaire 149. O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves 150. Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca Nacional 151. Papéis Avulsos -Machado de Assis 152. Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos 153. Cartas D'Amor -José Maria Eça de Queirós 154. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós 155. Anedota do Cabriolet -Machado de Assis 156. Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias 157. A Desejada das Gentes -Machado de Assis 158. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho 159. Don Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes Saavedra 160. Almas Agradecidas -Machado de Assis
161. Cartas D'Amor - O Efêmero Feminino -José Maria Eça de Queirós 162. Contos Fluminenses -Machado de Assis 163. Odisséia -Homero 164. Quincas Borba -Machado de Assis 165. A Mulher de Preto -Machado de Assis 166. Balas de Estalo -Machado de Assis 167. A Senhora do Galvão -Machado de Assis 168. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós 169. A Inglezinha Barcelos -Machado de Assis 170. Capítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de Abreu 171. CHARNECA EM FLOR -Florbela Espanca 172. Cinco Minutos -José de Alencar 173. Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida 174. Lucíola -José de Alencar 175.. A Parasita Azul -Machado de Assis 176. A Viuvinha -José de Alencar 177. Utopia -Thomas Morus 178. Missa do Galo -Machado de Assis 179. Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves 180. História da Literatura Brasileira: Fatores da Literatura Brasileira -Sílvio Romero 181. Hamlet -William Shakespeare 182. A Ama-Seca -Artur Azevedo 183. O Espelho -Machado de Assis 184. Helena -Machado de Assis 


 
MATERIAIS DO EDUCAR PARA CRESCER

1808

Clássicos da Literatura Infantil

Um dia na Praça

Volta ao Mundo em + de 80 Livros































REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 

Oi, turmas de 2ºs  e 3ºs anos da EEEP Elsa Maria P. C. Lima! Segue abaixo exercicios de revisão para as avaliações globais da semana que vem. O gabarito será divulgado posteriormente para que todos possam realizar as atividades com segurança. 

REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – I BIMESTRE – 2ºS ANOS
Resolva as questões abaixo de acordo com as indicações.

1. Numa das seguintes frases, há uma flexão de plural grafada erradamente:
a) os escrivães serão beneficiados por esta lei.
b) o número mais importante é o dos anõezinhos.
c) faltam os hifens nesta relação de palavras.
d) Fulano e Beltrano são dois grandes caráteres.
e) os répteis são animais ovíparos.

2. Assinale o par de vocábulos que fazem o plural da mesma forma que “balão” e “caneta-tinteiro”:
a) vulcão, abaixo-assinado;    
 b) irmão, salário-família;
c) questão, manga-rosa;        
d) bênção, papel-moeda;
e) razão, guarda-chuva.

3. Assinale a alternativa em que está correta a formação do plural:
a) cadáver – cadáveis;       b) gavião – gaviães;
c) fuzil – fuzíveis;                d) mal – maus;
e) atlas – os atlas.

4. Indique a alternativa em que todos os substantivos são abstratos:
a) tempo – angústia – saudade – ausência – esperança– imagem;
b) angústia – sorriso – luz – ausência – esperança –inimizade;
c) inimigo – luz – esperança – espaço – tempo;
d) angústia – saudade – ausência – esperança – inimizade;
e) espaço – olhos – luz – lábios – ausência – esperança.

5. Assinale a alternativa em que todos os substantivos são masculinos:
a) enigma – idioma – cal;
b) pianista – presidente – planta;
c) champanha – dó(pena) – telefonema;
d) estudante – cal – alface;
e) edema – diabete – alface.

6. Sabendo-se que há substantivos que no masculino têm um significado; e no feminino têm outro, diferente. Marque a alternativa em que há um substantivo que não corresponde ao seu significado:
a) O capital = dinheiro; A capital = cidade principal;
b) O grama = unidade de medida; A grama = vegetação rasteira;
c) O rádio = aparelho transmissor; A rádio = estação geradora;
d) O cabeça = o chefe; A cabeça = parte do corpo;
e) A cura = o médico. O cura = ato de curar.

7. Marque a alternativa em que haja somente substantivos sobrecomuns:
a) pianista – estudante – criança;
b) dentista – borboleta – comentarista;
c) crocodilo – sabiá – testemunha;
d) vítima – cadáver – testemunha;
e) criança – desportista – cônjuge.

8. Aponte a seqüência de substantivos que, sendo originalmente diminutivos ou aumentativos, perderam
essa acepção e se constituem em formas normais, independentes do termo derivante:
a) pratinho – papelinho – livreco – barraca;
b) tampinha – cigarrilha – estantezinha – elefantão;
c) cartão – flautim – lingüeta – cavalete;
d) chapelão – bocarra – cidrinho – portão;
e) palhacinho – narigão – beiçola – boquinha.

9. Dados os substantivos “caroço”, “imposto”, “coco” e  “ovo”, conclui-se que, indo para o plural a vogal tônica soará aberta em:
a) apenas na palavra nº 1;    
b) apenas na palavra nº 2;
c) apenas na palavra nº 3;   
d) em todas as palavras;
e) N.D.A.

10. Marque a alternativa que apresenta os femininos de “Monge”, “Duque”, “Papa” e “Profeta”:
a) monja – duqueza – papisa – profetisa;
b) freira – duqueza – papiza – profetisa;
c) freira – duquesa – papisa – profetisa;
d) monja – duquesa – papiza – profetiza;
e) monja – duquesa – papisa – profetisa

11. O plural dos substantivos “couve-flor”, “pão-de-ló” e “amor-perfeito” é:
a) couve-flores; pães-de-ló; amores-perfeitos;
b) couves-flores; pães-de-ló; amores-perfeitos;
c) couves-flores; pão-de-ló; amor-perfeitos;
d) couves-flores; pão-de-lós; amores-perfeitos;
e) couves-flores; pães-de-ló; amor-perfeitos.

12. Indique o grupo de substantivo que só admite o artigo “o” :
a) cal, dó, sentinela;    b) contralto, eczema, aluvião;
c) hosana, apêndice, apendicite;
d) telefonema, eclipse, afã;  e) trama, elipse, omoplata

13. Indique a alternativa que apresenta erro na forma do plural:
a) sol: sóis; fúsil: fúseis; anão: anões;
b) peão: peões; guardião: guardiãos; caráter: caracteres;
c) órgão: órgãos;corrimão: corrimãos; mel: méis;
d) sótão: sótãos; álcool: álcoois; cônsul: cônsules;
e) faisão: faisães; anil: anis; capitão: capitães.

14. Assinale a alternativa que contiver todos os termos com plural correto:
a) luso-brasileiras; rosas-chá; sapatos-areia; decretos-lei;
b) guardas-marinha; prócers; procônsules; totens;
c) grã-cruzes; chefes-de-seção; surdo-mudos; primas-donas;
d) saias-calças; ouvidores-mor; baixos-relevos; gatos-pingados;
e) sapatos-de-cristais; coronéis-de-barrancos; olhosde-gatos.

15. Entre os substantivos aqui relacionados, há um que é do masculino qual?
a) hóstia;                       
b) anátema;       
c) ráfia;
d) antífona;                   
e) estenia.

16. Quanto ao gênero os adjetivos podem ser uniformes e biformes. Assinale a alternativa que apresenta adjetivos uniformes:
a) português, cristão.     
b) feliz, espanhol.
c) ateu, judeu.               
d) comum, feliz.
e) corajoso, brincalhão.

17. O plural dos adjetivos compostos está correto nas seguintes alternativas:
1 – Olhos castanho-claros
2 – Vestidos azuis-celestes
3 – Meninos surdos-mudos
4 – Ternos azul-marinho
5 – Camisas verde-musgo

a) 1,2,4,5.                      
b) 2,3,4,5.          
c) 1,3,4,5.
d) apenas 3 e 4.            
e) Todas estão corretas.

18. Assinale a alternativa que o adjetivo está flexionado no grau superlativo absoluto sintético:
a) O garoto é tão inteligente quanto sua irmã.
b) O aluno é o mais inteligente da sala.
c) A cerveja está geladíssima.
d) O político é muito influente.
e) O leite está melhor que o café.

19. Marque a 2ª coluna de acordo com a 1ª coluna.
 1) amargo                                    ( ) docílimo
2) semelhante                                          ( ) simílimo
3) doce                                        ( ) amaríssimo
4) dócil                                        ( ) dulcíssimo
5) frágil                                       ( ) fragílimo

a) 4,2,1,3,5                   
 b) 2,1,3,5,4        
c) 4,2,3,1,5
d) 3,2,4,1,5                    
e) 1,5,3,4,2

20. Assinale a única alternativa que possui substantivo sobrecomum.
a) crocodilo                  
 b) colega           
c) cavalheiro
d) indivíduo                   
e) imperador

21. Marque a alternativa que possui apenas substantivos femininos:
a) formicida, conde, poeta.
b) cal, ênfase, guaraná.
c) matinê, apêndice, imperador.
d) barão, omoplata, caneta.
e) derme, gênese, alface.

22. Assinale a alternativa que os substantivos estão flexionados no plural incorretamente:
a) más-línguas, bananas-maçã
b) cachorros-quentes, pombos-correio
c) grão-duques, tico-ticos
d) bananas-maçãs, altos-falantes
e) terças-feiras, pés-de-moleque

23. Assinale a alternativa que contém o grupo de adjetivos gentílicos, relativos a “Japão”, “Três Corações” e “Moscou”:
a) Oriental, Tricardíaco, Moscovita;
b) Nipônico,Tricordiano, Soviético;
c) Japonês, Trêscoraçoense, Moscovita;
d) Nipônico, Tricordiano, Moscovita;
e) Oriental, Tricardíaco, Soviético.

24. No trecho “os jovens estão mais ágeis que seus pais”, temos:
a) um superlativo relativo de superioridade;
b) um comparativo de superioridade;
c) um superlativo absoluto;
d) um comparativo de igualdade.
e) um superlativo analítico de ágil.

25. Relacione a 1ª coluna à 2ª:
1 - água de chuva         ( ) Fluvial
2 - olho de gato            ( ) Angelical
3 - água de rio              ( ) Felino
4 - Cara-de-anjo            ( ) Pluvial

Assim temos:
a) 1 – 4 – 2 – 3;     
 b) 3 – 2 – 1 – 4;     
c) 3 – 1 – 2 – 4;
d) 3 – 4 – 2 – 1;     
e) 4 – 3 – 1 – 2.

26. Nas orações “Esse livro é melhor que aquele” e “Este livro é mais lindo que aquele”, Há os graus comparativos:
a) de superioridade, respectivamente sintético e analítico;
b) de superioridade, ambos analíticos;
c) de superioridade, ambos sintéticos;
d) relativos;
e) superlativos.

27. Selecione a alternativa que completa corretamente as lacunas da frase apresentada: “Os acidentados foram encaminhados a diferentes clínicas ___________”.
a) médicas-cirúrgicas; b) médica-cirúrgicas;
c) médico-cirúrgicas;  d) médicos-cirúrgicas;
e) médica-cirúrgicos.

28. Sabe-se que a posição do adjetivo, em relação ao substantivo, pode ou não mudar o sentido do enunciado. Assim, nas frases “Ele é um homem pobre” e “Ele é um pobre homem”.
a) 1ª fala de um sem recursos materiais; a 2ª fala de um homem infeliz;
b) a 1ª fala de um homem infeliz; a 2ª fala de um homem sem recursos materiais;
c) em ambos os casos, o homem é apenas infeliz, sem fazer referência a questões materiais;
d) em ambos os casos o homem é apenas desprovido de recursos;
e) o homem é infeliz e desprovido de recursos materiais, em ambas.

29. O item em que a locução adjetiva não corresponde ao adjetivo dado é:
a) hibernal - de inverno;         
b) filatélico - de folhas;
c) discente - de alunos;         
d) docente - de professor;
e) onírico - de sonho.

30. Assinale a alternativa em que todos os adjetivos têm uma só forma para os dois gêneros:
a) andaluz, hindu, comum; 
b) europeu, cortês, feliz;
c) fofo, incolor, cru;     
d) superior, agrícola, namorador;
e) exemplar, fácil, simples.

31. O plural de terno azul-claro e terno verde-mar é:
a) ternos azuis-claros; ternos verdes-mares
b) ternos azuis-claros; ternos verde-mares
c) ternos azul-claro; ternos verde-mar
d) ternos azul-claros; ternos verde-mar
e) ternos azuis-claros; ternos verde-mar

32. “...onde predomina o corte de cabelo afro-oxigenado.”  A concordância do adjetivo destacado acima com o substantivo a que se refere manteve-se correta em:
a) cabelos afros-oxigenados
b) cabeleiras afras-oxigenadas
c) cabelos afros-oxigenados
d) cabeleiras afra-oxigenadas
e) cabelos afro-oxigenados

33. Assinale a opção em que todos os vocábulos formam o plural em ões (cf: botão/botões):
a) balão, irmão, tubarão
b) eleição, canção, opinião
c) confissão, nação, cristão
d) limão, cidadão, pagão
e) questão, alemão, operação

34. Assinale a alternativa que contenha substantivos, respectivamente, abstrato, concreto e concreto:
a) fada, fé, menino.      
b) fé, fada, beijo.
c) beijo, fada, menino. 
d) amor, pulo, menino.
e) menino, amor, pulo.

35. Das palavras abaixo, faz plural como "assombrações"
a) perdão.        
 b) bênção.   
c) alemão.
 d) cristão.       
e) capitão.

36. A flexão do número incorreta é:
a) tabelião - tabeliães.   
 b) melão - melões
c) ermitão - ermitões.    
 d) chão - chãos.
e) catalão - catalões.

37. Na frase: "Apieda-te qualquer sandeu", a palavra sandeu (idiota, imbecil) é um substantivo:
a) comum, concreto e sobrecomum
b) concreto, simples e comum de dois gêneros.
c) simples, abstrato e feminino.
d) comum, simples e masculino
e) simples, abstrato e masculino.

38. O item em que temos um adjetivo em grau superlativo absoluto é:
a) Está chovendo bastante.
b) Ele é um bom funcionário.
c) João Brandão é mais dedicado que o vigia.
d) Sou o funcionário mais dedicado da repartição.
e) João Brandão foi tremendamente inocente.

39. O substantivo composto que está indevidamente escrito no plural é:
a) mulas-sem-cabeça.                
b) cavalos-vapor.
c) abaixos-assinados.               
d) quebra-mares.
e) pães-de-ló.

40.  A alternativa que apresenta um substantivo invariável e um variável, respectivamente, é:
a) vírus - revés.  
 b) fênix - ourives.   
 c) ananás - gás.
d) oásis - alferes.   
e) faquir - álcool.

41. O único substantivo que não é sobrecomum é:
a) verdugo.        
b) manequim.   
c) pianista.
d) criança.         
e) indivíduo.

42. Quanto à flexão de grau, o substantivo que difere dos demais é:
a) viela.             
b) vilarejo.         
c) ratazana.
d) ruela.             
e) sineta.

43. A única alternativa em que as palavras são, respectivamente, substantivo abstrato e adjetivo biforme é:
a) beijo – alegre             
b) remédio - inteligente
c) feiúra – lúdico           
 d) ar - parco
e) dor - veloz

44. “Talvez seja bom que o proprietário de imóvel possa desconfiar de que ele não é tão imóvel assim”.
A palavra destacada é, respectivamente:
a) substantivo e substantivo
b) substantivo e adjetivo
c) adjetivo e verbo
d) advérbio e adjetivo
e) adjetivo e advérbio

45. A expressão em que a mudança de colocação de sues termos altera, por completo, o sentido do adjetivo é:
a) velho fidalgo – fidalgo velho
b) índio tímido – tímido índio
c) coração nobre – nobre coração
d) pobre índio – índio pobre
e) admiração ardente – ardente admiração

46. Numa das alternativas abaixo uma das locuções está incorretamente relacionada com o adjetivo. Assinale-a:
a) digital (de dedo)        
b) hepático (de estômago)
c) capital (de cabeça)    
d) plúmbeo (de chumbo)
e) pétreo (de pedra)

47. Marque a opção em que o adjetivo está flexionado corretamente:
a) Aquela planta tem as folhas verde-escura.
b) Aquela planta tem as folhas verdes-escura
c) Aquela planta tem as folhas verdes-escuras.
d) Aquela planta tem as folhas verde-escuras.
e)  n.d.a

48. O plural de terno azul-claro e terno verde-mar é:
a) ternos azuis-claros; ternos verdes-mares.
b) ternos azuis-claros; ternos verde-mares
c) ternos azul-claro; ternos verde-mar.
d) ternos azul-claros; ternos verde-mar.
e) ternos azuis-claros; ternos verde-mar.

49. Assinale a opção em que a locução destacada tem valor adjetivo:
a) “Via aos pés o lago adormecido”.
b) “O menino de propósito afrontou a vertigem”.
c) “enquanto o Barão de pé, na margem, sorria com orgulho”.
d) “conhecendo a força de atração do abismo”.
e) “a idéia de vingança agora o enchia de horror”.

50. Assinale a opção em que a mudança na ordem dos termos pode alterar o sentido fundamental da expressão:
a) própria usina – usina própria
b) eminentes físicos – físicos eminentes
c) rápido desfecho – desfecho rápido
d) parcelas ponderáveis – ponderáveis parcelas
e) separação rígida – rígida separação

 
REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA – I BIMESTRE – 3ºS ANOS


Observe a charge ao lado e responda às questões de 1 a 4:

1. Observando a imagem acima, excluindo o título, assinale a alternativa correta.
a) Os dois balões possuem 2 frases e dois períodos simples.
b) Os dois balões possuem 2 frases, um período simples e um período composto.
c) Os dois balões possuem três frases, dois períodos simples e um período composto.
d) Nenhuma das alternativas anteriores.

2. No primeiro balão aparecem as palavras “esses”, “aqui” e “limpos”. Classifique sintaticamente os respectivos termos.
a) Adjunto adnominal, adjunto adverbial, objeto direto.
b) Sujeito, adjunto adnominal, predicativo do sujeito.
c) Adjunto adnominal, adjunto adverbial, objeto direto.
d) Sujeito, adjunto adverbial, predicativo do sujeito.

3. Observando todo o contexto da charge assinale a alternativa correta:
a) Pode-se afirmar a partir do conjunto entre imagem e texto que a redução da maioridade penal possui apenas aspectos positivos.
b) Pode-se afirmar a partir do conjunto entre imagem e texto que a redução da maioridade penal possui aspectos positivos e negativos.
c) Pode-se afirmar a partir do conjunto entre imagem e texto que a redução da maioridade penal possui apenas aspectos negativos.
d) Nenhuma das alternativas anteriores.

4. Observe como o cartunista Thomate retrata a questão da redução da maioridade penal no cartum.
Agora, escreva um parágrafo expondo sua opinião sobre qual teria sido a intenção do autor a criar esse cartum. Em seguida, verifique o emprego de conjunções em seu texto, analisando as relações estabelecidas por elas entre as partes que o constituem.
Leia o fragmento poético posto a seguir.
Triste, a escutar, pancada por pancada,
A sucessividade dos segundos,
Ouço, em sons subterrâneos, do Orbe oriundos,
O choro da Energia abandonada!

5. A crítica reconhece na poesia de Augusto dos Anjos, como exemplifica a estrofe, a forte presença de uma dimensão:
a) patológica    
 b) niilista   
 c) estética    
d) cósmica

6. Considere as seguintes informações.
I. Poesia híbrida.
II. Literatura com caráter nacionalista.
III. Ingenuidade na caracterização das personagens.
Referência ao Pré – Modernismo vê-se apenas em:

a) I e II       
b) I e III               
c) II            
d) II e III

7. O uso de terminologia científica e o gosto pelo feio em detrimento do belo fazem de Augusto dos Anjos:
a) um obcecado por expressões cromáticas.
b) um cientificista naturalista.
c) um parnasiano – simbolista.
d) um poeta de versos melodiosos e onomatopaicos.

8. Criador da literatura infantil brasileira. Criticado por seu agnosticismo, pois era influenciado pelo evolucionismo, positivismo e materialismo de fins do século passado.
a) Monteiro Lobato           
 b) Jorge de Lima                                       
c) Rui Barbosa                 
 d) José de Anchieta
e) José Lins do Rego

9. Volume contendo doze histórias tiradas do sertão paulista, foi citado por Rui Barbosa, em discurso no Senado, apontando o personagem Jeca Tatu com o protótipo do camponês brasileiro. Aponte o autor e sua obra:
a) Monteiro Lobato – Urupês
b) Lima Barreto – Cemitério dos vivos
c) Monteiro Lobato  - Cidades mortas
d) Coelho Neto – Fogo-fátuo
e) Euclides da Cunha – Contrastes e confrontos

10. Assinale a alternativa que estabelece uma perfeita correlação entre as colunas.
(1) poeta romântico da primeira fase                         
(2) poeta romântico byroniano                                   
(3) poeta romântico condoreiro                                  
(4) poeta parnasiano                                                    
(5) poeta simbolista                                                    
(6) romancista pré-modernista                                    
(7) autor de Os sertões 

(  ) Lima Barreto
(  ) Olavo Bilac
(  ) Cruz e Souza
(  ) Euclides da Cunha
(  ) Gonçalves de Magalhães
(  ) Álvares de Azevedo
(  ) Castro Alves                                              

a) 3,4,6,7,1,2,5        
b) 6,1,7,3,5,2,    
c) 7,1,4,3,2,5,6   
d) 6,4,5,7,1,2,3       
 e) 5,6,4,7,1,2,3

11. Lima Barreto é um autor que se caracteriza por criar tipos:
a) rústicos, ligados ao campo.
b) aristocratas, ligados ao campo.
c) aristocratas, ligados à cidade.
d) burgueses, ligados à cidade.
e) populares, ligados ao subúrbio.

12. Leia atentamente o texto abaixo, de Euclides da Cunha:
“Isoladas a princípio, estas turmas adunavam-se pelos caminhos, aliando-se a outras, chegando, afinal, conjuntas a Canudos. O arraial crescia vertiginosamente, coalhando as colinas.
A edificação rudimentar permitia à multidão sem lares fazer até doze casas por dia; - e, à medida que se formava, a tapera colossal parecia estereografar a feição moral da sociedade ali acoutada. Era a objetivação daquela insânia imensa. Documento iniludível permitindo o corpo de delito direto sobre os desmandos de um povo.
Aquilo se fazia a esmo, adoudadamente.A urbs monstruosa, de barro, definia bem a civitas sinistra do erro. O povoado novo surgia, dentro de algumas semanas, já feito ruínas. Nascia velho. Visto de longe, desdobrado pelos cômoros, atulhando as canhadas, cobrindo área enorme, truncado nas quebradas, revolto nos pendores – tinha o aspecto perfeito de uma cidade cujo solo houvesse sido sacudido e brutalmente dobrado por um terremoto.”

a) Por uma questão de estilo, o autor refere-se a Canudos empregando diversos termos sinonímicos. Cite quatro desses termos.
b) O texto de Euclides da Cunha foi extraído de sua obra-prima. Cite o título dessa obra.
c) Diga o gênero em que ela se enquadra(romance, ensaio, conto ou poema épico).
d) O núcleo da referida obra são os acontecimentos de Canudos. Diga, em síntese, o que ocorreu ali.
e) Quem era o chefe místico de Canudos?

13. Na figura de _____, Monteiro Lobato criou o símbolo do brasileiro abandonado ao seu atraso e à sua miséria pelos poderes públicos.
a) O Cabeleira         
b) Jeca Tatu       
 c) João Miramar
d) Augusto Matraga

14. A obra pré-modernista de Euclides da Cunha situa-se entre a __ e a ___
a) História – Psicologia         
b) Geografia – Economia
c) Arte – Filosofia                  
d) Literatura – Sociologia
e) Teologia – Geologia

15. Leia atentamente o trecho abaixo,
I - “Negrinha era uma pobre órfã de sete anos. Preta? Não; fusca, mulatinha escura, de cabelos ruços e
olhos assustados. Nascera na senzala, de mãe escrava, e seus primeiros anos vivera-os pelos cantos
escuros da cozinha, sobre velha esteira e trapos imundos”. (NEGRINHA, Monteiro Lobato)
Sobre o trecho, podemos afirmar, corretamente, que é predominantemente:
a) Narrativo, por apresentar verbos no Pretérito Imperfeito.
b) Dissertativo, por apresentar argumentos sobre os personagens.
c) Descritivo, por apresentar traços físicos e morais das personagens.
d) Explicativo, por apresentar razões para as atitudes das personagens.

16. “A excelente dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças. (...) Certo dezembro vieram passar as férias com Santa Inácia duas sobrinhas suas, pequenotas, lindas meninas louras, ricas, nascidas e criadas em ninho de plumas.” (NEGRINHA, Monteiro Lobato)
No texto, percebemos forte presença da figura de linguagem:
a) Prosopopéia    
b) Metáfora  
 c) Ironia    
d) Metonímia

17. Leia o conto Negrinha da obra de mesmo nome de Monteiro Lobato e analise os elementos básicos da narrativa como: narrador, discurso, tempo, espaço e enredo.

18. Nas questões que seguem, ocorrem duas frases isoladas. Estabeleça entre elas uma relação de coordenação e indique o tipo de relação estabelecida.
Modelo: Fique quieta. Expulso a senhora da sala.
Relacionando: Fique quieta, ou expulso a senhora da sala.               Tipo de relação: alternância.

a)   Ele era o artilheiro do time. Ele não marcou nenhum gol no último campeonato.
b)   O Brasil é um país de grandes riquezas. O padrão de vida de seu povo é um dos mais baixos do mundo.
c)   Ouvimos um ruído. Havia gente nos fundos da casa.
d)   Vá na frente. Irei depois.
e)   O dia está agradável. Devemos aproveitá-lo.

19.    Classifique as orações em destaque:
a) Não só estudou, mas também trabalhou.
b) Choveu, pois eu me molhei.
c) O relógio é de ouro; não enferruja, pois.
d) Sai às dez, voltei às dez e meia.
e) Venha logo, pois está chovendo.
f) Sinhá Vitória falou assim, mas Fabiano resmungou.”
g) Ora chove, ora faz calor.
h) “Desta vez, disse ele, vais para a Europa.”(  Assis)
i) Não havia necessidade, todavia insistiu em chamar o técnico
j) Muita gente estava doente, mas ninguém faltou à reunião
k) “Nesse tempo eu não pensava mais nela, pensava em ganhar dinheiro” (G. Ramos)
l) “Paguei os cem mil-réis e obtive duzentos com juro reduzido para três e meio por cento.” ( Ramos)
m) “As moças nem me notavam, mas eu bem as via.”
n) “Esperou-me à saída, deu-me um rápido abraço e desapareceu.” (Cyro dos Anjos)
o)“Eduardo não beijou, nem chegou perto.” (F. Sabino)
p)Ou destruímos a inflação, ou ela nos destrói.
q) Não poderia comparecer, portanto nem contem com a minha presença.
r) Muitos titulares não jogaram, todavia o desempenho da equipe foi satisfatório.
s) Ele jogou muito bem no último campeonato, portanto deve ser convocado para a seleção.
t) Não falte, pois a festa será animada.

20. Divida o período abaixo em orações e classifique-as:

“A canoa deslizava brandamente entrava na boca do rio Canumã e despertava as sardinhas meio-adormecidas entre duas águas, nenhum pássaro cantava, as vozes noturnas da floresta haviam-se calado, mas nós estávamos alerta”. (Inglês de Sousa).

Relações Intertextuais da Segunda Geração Romântica 
A segunda geração baseou-se em uma arte totalmente voltada para o desapego a este nacionalismo e “mergulhou” em um exacerbado sentimentalismo e pessimismo doentio como forma de escapar da realidade e dos problemas que assolavam a sociedade na época.

E para falarmos mais especificamente sobre a segunda geração, é de fundamental importância sabermos que os autores nela consagrados sofreram influências do poeta inglês Lord Byron, autor de uma criação poética agressiva contra a sociedade e que a figura do poeta confundia-se com a de seus heróis – melancólicos - misteriosos e sombrios.

Também conhecida como Mal do século, a segunda geração romântica foi caracterizada pelo extremo subjetivismo, onde o culto ao “eu” revelava um extremo egocentrismo que culminava com o sentimento de morte, dúvida e obscuridade.As principais figuras artísticas que se destacaram neste período foram: Álvares de Azevedo, Junqueira Freire, Casimiro de Abreu e Fagundes Varela.

Todos estes poetas não conseguiram atingir a plenitude de sua juventude, pois morreram precocemente atingidos pelas patologias advindas do modo de vida que levavam. Devido ao pessimismo já mencionado anteriormente, eles preferiam os lugares escuros, sombrios, úmidos para se estabelecerem, e ainda eram boêmios noturnos assíduos e tinham a bebida como foco principal, uma vez que esta funcionava com válvula de escape para os mesmos.

A temática pregada por eles baseava-se no sonho, no devaneio, o amor era aquele platônico, a mulher era vista como uma figura inatingível, impalpável, vista mais no plano espiritual do que no material.

Vejamos agora uma sequência de relações intertextuais na literatura moderna, no cinema e na música nacional e internacional:
Cenas do filme Don Juan com música de Bryan Adams.
Cenas do filme Diário de m vampiro e música Doce vampiro de Rita Lee.
Reportagem sobre Jim Morrison líder da banda The Doors.

Outra relação intertextual da Segunda Geração Romântica é a trilogia Crepúsculo, já ambientada para o cinema. Segue abaixo o trechos de Crepúsculo.
 
Como construir um mapa conceitual?


1. Identifique os conceitos-chave do conteúdo que vai mapear e ponha-os em uma lista. Limite entre 6 e 10 o número de conceitos.

2. Ordene os conceitos, colocando o(s) mais geral (is), mais inclusivo(s), no topo do mapa e, gradualmente, vá agregando os demais até completar o diagrama de acordo com o princípio da diferenciação progressiva. Algumas vezes é difícil identificar os conceitos mais gerais, mais inclusivos; nesse caso é útil analisar o contexto no qual os conceitos estão sendo considerados ou ter uma idéia da situação em que tais conceitos devem ser ordenados.

3. Se o mapa se refere, por exemplo, a um parágrafo de um texto, o número de conceitos fica limitado pelo próprio parágrafo. Se o mapa incorpora também o seu conhecimento sobre o assunto, além do contido no texto, conceitos mais específicos podem ser incluídos no mapa.

4. Conecte os conceitos com linhas e rotule essas linhas com uma ou mais palavras-chave que explicitem a relação entre os conceitos. Os conceitos e as palavras-chave devem sugerir uma proposição que expresse o significado da relação.

5. Setas podem ser usadas quando se quer dar um sentido a uma relação. No entanto, o uso de muitas setas acaba por transformar o mapa conceitual em um diagrama de fluxo.

6. Evite palavras que apenas indiquem relações triviais entre os conceitos. Busque relações horizontais e cruzadas.

7. Exemplos podem ser agregados ao mapa, embaixo dos conceitos correspondentes. Em geral, os exemplos ficam na parte inferior do mapa.

8. Geralmente, o primeiro intento de mapa tem simetria pobre e alguns conceitos ou grupos de conceitos acabam mal situados em relação a outros que estão mais relacionados. Nesse caso, é útil reconstruir o mapa.

9. Talvez neste ponto você já comece a imaginar outras maneiras de fazer o mapa, outros modos de hierarquizar os conceitos. Lembre-se que não há um único modo de traçar um mapa conceitual. À medida que muda sua compreensão sobre as relações entre os conceitos, ou à medida que você aprende, seu mapa também muda. Um mapa conceitual é um instrumento dinâmico, refletindo a compreensão de quem o faz no momento em que o faz.

10. Compartilhe seu mapa com colegas e examine os mapas deles. Pergunte o que significam as relações, questione a localização de certos conceitos, a inclusão de alguns que não lhe parecem importantes, a omissão de outros que você julga fundamentais. O mapa conceitual é um bom instrumento para compartilhar, trocar e “negociar” significados.

Há aplicativos especialmente desenhados para a construção de mapas conceituais. O mais conhecido deles é o Cmap: http://cmap.ihmc.us

EXEMPLOS DE MAPAS CONCEITUAIS


EXEMPLO 01: MAPA CONCEITUAL SOBRE MAPA CONCEITUAL

 EXEMPLO02: MAPA CONCEITUAL SOBRE PRECONCEITO
Fontes:  https://www.google.com.br

Modelo de Capa para Trabalhos Acadêmicos

Para a realização dos trabalhos escolares sempre siga o modelo sugerido abaixo, desta forma, as atividades acadêmicas terão uniformidade e estarão padronizadas.



Links para baixar o livro Negrinha de Monteiro Lobato

Os endereços eletrônicos abaixo o auxiliarão na realização da atividade avaliativa de Língua Portuguesa referente as turmas dos 3º anos da EEEP Elsa Maria.



 Modelo de Análise de Conto

O modelo de análise de conto sugerido abaixo poderá ajudá-lo na análise do conto escolhido da obra Negrinha de Monteiro Lobato. Lembre-se de que este modelo é apenas sugestivo.


CONTO: A CARTOMANTE DE MACHADO DE ASSIS

ENREDO
O conto A Cartomante, de Machado de Assis, mostra a visão objetiva e pessimista da vida, do mundo e das pessoas (abolição do final feliz). O autor faz uma análise psicológica das contradições humanas na criação de personagens imprevisíveis, jogando com insinuações em que se misturam a ingenuidade e malícia, sinceridade e hipocrisia. Crítica humorada e irônica das situações humanas, das relações entre os personagens e seus padrões de comportamento. Linguagem sóbria que, entretanto, não despreza os detalhes necessários a uma análise profunda da psicologia humana. Envolvimento do leitor pela oralidade da linguagem. A história é repleta de "conversas" que o narrador estabelece frequentemente com o leitor, transformando-o em cúmplice e participante do enredo (metalinguagem). Citação de um autor clássico (Shakespeare) intertextualidade; reflexão sobre a mesquinhez humana e a precariedade da sorte humana. Os aspectos externos (tempo cronológico, espaço, paisagem) são apenas pontos de referência, sem merecerem maior destaque.

NARRADOR
O conto tem um foco narrativo onisciente, ou seja, é um narrador em 3° pessoa. Esse tipo de narrador nos permite observar e entender melhor os fatos e as características dos personagens.
Ex: "Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo"

PERSONAGENS
Os principais personagens são Vilela, Camilo, Rita e a cartomante.
  • Vilela: um bom marido, um bom amigo,advogado e um pouco ingênuo. Marido de Rita e traido por seu melhor amigo. Bastante radical, também.
  • Camilo: de acordo com o narrador, uma pessoa ingênua na vida moral e prática; um amigo falso, traidor; além de um moço muito descrente.
  • Rita: mulher de Vilela e adúltera. Amante de Camilo, ela era uma mulher iludida. Frequentava uma cartomante; era dissimulada, porém muito bela e formosa.
  • Cartomante: personagem crucial na história. Uma charlatã que, de acordo com o narrador, se passa por uma mulher superior, melhor do que todos. É uma incógnita na história...
TEMPO
A história se passa no passado, por volta de 1869. Pode-se perceber a predominância do tempo cronológico como se confirma na passagem: Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de Novembro de 1869...”

ESPAÇO
A história se passa em vários ambientes diferentes. Dentre eles:
  • Casa da cartomante: lugar sujo, com um beco escuro e amedrontador - pelo menos para o Camilo. Todas essas características criam um suspense na história.
  • Casa de Vilela.
  • O caminho até a casa de Vilela: uma rua vazia, silenciosa, calma, escura, entre outros;
ESTILO DO AUTOR
A Cartomante é um conto onde podemos observar características marcantes do estilo de Machado de Assis. O uso de metáforas constantes, o comportamento imprevisível dos personagens e seu valor filosófico, o uso de comparações superlativas, bem como a ambigüidade em seus personagens.
O autor usa intertextualizações literárias, e o recurso da narrativa onisciente, para dinamizar o relato da história acentuando os momentos dramáticos do texto. Usa este recurso que eleva e prolonga a suspensão da história, mantendo o leitor atento durante todo o desenrolar do conto.
Sem estes ingredientes, sem dúvida o texto não teria a mesma dinâmica e seu epílogo não teria a mesma ênfase. Sem os pretextos machadianos facilmente saberíamos o desfecho da história ao lermos suas primeiras linhas. O uso destes atributos faz com que a historia gire em torno de seu próprio eixo dramático sem que percebamos o uso desta técnica literária.

REFERÊNCIAS
 
CEREJA, William Roberto & MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: linguagens. 6ed. São Paulo: Atual, 2010. (vol.02)
http://www.releituras.com/machadodeassis_cartomante.asp



A timbalada do Arcadismo!

A Timbalada do Arcadismo by Leieducacionalaracati

BARROCO
































ARCADISMO




























































Oi, pessoal!
Esse material é para todos nós que buscamos estar em dia com a Língua Portuguesa. 
Temos 126 pegadinhas da nossa gramática. As dicas são valiosas na hora de redigir um bom texto.











































































_________________________________________________
Oi, galerinha do Blog Diário Virtual de Leitura!
Esta postagem é especialmente para as turmas dos 3ºs anos da EEEP Elsa Maria Porto Costa Lima.
As avaliações se aproximam e um dos conteúdos deste bimestre da disciplina de Língua Portuguesa é o período composto por subordinação.
Sendo assim, sem mais delongas, posto mais 35 exercícios sobre as orações.
Grande Abraço!

01) ESPCEX - No período: “... no fundo eu não estava triste com a viagem de meu pai, era a primeira vez que ele ia ficar longe de nós por algum tempo ...”, a oração sublinhada é:
a) subordinada substantiva predicativa;
b) subordinada adjetiva restritiva;
c) subordinada adverbial de lugar;
d) subordinada substantiva subjetiva.

02) ESFAO - Somando os números correspondentes às orações corretas quanto à classificação das mesmas, você encontrará a resposta da questão.

“Garantiram-me que, depois de preenchido o formulário, que me enviaram pelo correio na segundafeira sem falta e pagar a minha taxa de inscrição, eu seria atendido em menos de quarenta e oito horas.” (F. Sabino)

(02) 1º oração: principal;
(08) 2º oração: subordinada substantiva objetiva direta;
(14) 3º oração: subordinada substantiva objetiva direta;
(20) 4º oração: subordinada adjetiva restritiva;
(26) 5º oração: coordenada sindética aditiva em relação à 3º e subordinada adverbial temporal em relação à 1ª.
a) 24
b) 36
c) 48
d) 56
e) 70

03) AFA - Em que alternativa, a oração subordinada não é da mesma natureza da que existe em “Quero que vocês escrevam uma composição”?

a) “E anunciou que não nos faria cantar.”
b) “Esperava um irmão que vinha buscá-la.”
c) “Vamos fazer de conta que estamos na aula de Português.”
d) “Circulava a história de que ela dormia no sótão do colégio.”

04) EFOMM - Assinale o par de orações grifadas cuja classificação está trocada:

a) Vi onde ela estuda. (subordinada substantiva objetiva direta)
É sabido onde ela estuda. (subordinada substantiva subjetiva)

b) Não chores, porque amanhã será um novo dia. (coordenada sindética explicativa)
Não chores porque erraste o problema. (subordinada adverbial causal)

c) Descobriu-se por quem o carro foi consertado. (subordinada adjetiva restritiva)
Descobriu-se a pessoa por quem o carro foi consertado. (subordinada substantiva subjetiva)

d) “Quando você foi embora, Fez-se noite em meu viver (...)” (subordinada adverbial temporal)
Perguntei ao professor quando faríamos a prova. (subordinada substantiva objetiva direta)

e) “Estêvão ficou ainda algum tempo encostado à cerca na esperança de que ela olhasse (...)” (subordinada substantiva completiva nominal)
“A ambição e o egoísmo se opõem a que a paz reine sobre a Terra.” (subordinada substantiva objetiva indireta)

05) Colégio Naval
Vamos até a Matriz de Antônio Dias onde repousa, pó sem esperança, pó sem lembrança, o Aleijadinho.
Vamos subindo em procissão a lenta ladeira. Padres e anjos, santos e bispos nos acompanham e tornam mais rica, tornam mais grave a romaria de assombração.
Mas já não há fantasmas no dia claro, tudo é tão simples,
tudo tão nu, as cores e cheiros do presente são tão fortes e tão urgentes
que nem se percebem catingas e rouges, boduns e ouros do século 18.
(O vôo sobre as igrejas, Carlos Drumond de Andrade)

O “que” do verso 10 apresenta o valor semântico de:
a) explicação;
b) condição;
c) conformidade;
d) conseqüência;
e) lugar.

06) Colégio Naval - No trecho: “Todos diziam que ela era orgulhosa, mas afinal descobri que não”, a última oração se classifica como:
a) coordenada sindética adversativa;
b) principal;
c) subordinada substantiva objetiva direta;
d) subordinada adverbial comparativa;
e) subordinada substantiva subjetiva.

07) AFA
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
- Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte,

As orações “Desafia o nosso peito a própria morte”, “que um filho teu não foge à luta” e “quem te adora” classificam-se, respectivamente, como:
a) principal, subordinada substantiva subjetiva, subordinada adjetiva restritiva;
b) principal, subordinada adverbial temporal, subordinada substantiva objetiva direta;
c) principal, subordinada substantiva objetiva direta, subordinada substantiva subjetiva;
d) coordenada assindética, subordinada substantiva objetiva direta, subordinada substantiva apositiva.

08) EPCAR - Marque a alternativa que contém oração subordinada substantiva completiva nominal.
a) “Como fazem os pelintras de hoje para não molhar os pés nos dias de chuva?”
b) “Veio-me a desagradável impressão de que todo mundo reparava nas minhas galochas.”
c) “Um dia as galochas me serão úteis, quando eu for suficientemente velho para merecê-las.”
d) “No restaurante, onde entrei arrastando os cascos como um dromedário, resolvi me ver livre das galochas.”
e) “No centro da cidade um sol radioso varava as nuvens e caía sobre a rua, enchendo tudo de luz, fazendo evaporar as últimas poças de água que ainda pudessem justificar minhas galochas.”
09) EFOMM - Assinale o único exemplo em que não ocorre oração subordinada substantiva subjetiva:

a) “Cansativo que seja, urge atravessarmos o campo que banha o Rio Negro antes de anoitecer.”
b) “Todo escritor que surge reage contra os mais velhos, mesmo que o não perceba, e ainda que os admire.”
c) “Dormiram naquilo, tinham-se acostumado, mas seria mais agradável dormirem numa cama de lastro de couro.”
d) “É preciso que o pecador reconheça ao menos isto: que a Moral católica está certa e é irrepreensível.”
e) “Sobre a multiplicidade informe e confusa dos bens da matéria é mister
que paire a força ordenadora do espírito.”

10) Colégio Naval - Somos uma pequena parte do elo, o miolo de envoltórios descomunais que desconhecemos, arrogantes embora, na suposição de que é conosco que Deus se preocupa.
A última oração do texto deve ser classificada como subordinada:
a) adverbial concessiva;
b) substantiva completiva nominal;
c) adjetiva restritiva;
d) substantiva predicativa;
e) substantiva subjetiva.

11) ESFAO - Em “Dentro dela se abrigava a multidão de bárbaros e de estranhos ali recebidos com brandura e carinho” e “Tudo o que era natureza tinha o aspecto sinistro, trágico, desolador (...)”, temos, respectivamente:

a) uma oração com sujeito simples; / duas orações com sujeito representado por pronomes (respectivamente, demonstrativo e relativo);
b) duas orações, uma com sujeito claro, outra, oculto; / duas orações, tendo a primeira o sujeito simples representado por pronome relativo, a segunda, por um substantivo;
c) uma oração com sujeito composto cujos núcleos são bárbaros e estranhos; / duas orações, estando a subordinada com sujeito oculto;
d) uma oração com sujeito simples; / uma oração com sujeito representado por pronome indefinido;
e) uma oração com sujeito pronominal; / uma oração com sujeito oracional.

12) EFOMM - “Não sei de onde te conheço.” A classificação correta da oração grifada está na opção:
a) substantiva predicativa;
b) adjetiva restritiva;
c) substantiva subjetiva;
d) substantiva objetiva indireta;
e) substantiva objetiva direta.

13) EPCAR
Quando uma nuvem nômade destila
gotas, roçando a crista azul da serra,
 umas brincam na relva, outras tranqüilas,
 serenamente entranham-se na terra.

E a gente fala da gotinha que erra
de folha em folha e, trêmula, cintila,
mas nem se lembra da que o solo encerra,
de que ficou no coração da argila!

Quanta gente, que zomba do desgosto
mudo, da angústia que não molha o rosto
e que não tomba, em gotas, pelo chão
havia de chorar, se adivinhasse
que há lágrimas que correm pela face
e outras que rolam pelo coração!

(Guilherme de Almeida)

Entre as alternativas abaixo, a única correta é:

a) não há oração adverbial no texto em apreço;
b) há menos de quatro orações adjetivas no soneto;
c) há oração substantiva sem sujeito;
d) na oração “que há lágrimas”, o que não é integrante;
e) não há pronome demonstrativo no referido texto.

14) CESGRANRIO - “Hoje, a dependência operacional está reduzida, uma vez que o Brasil adquiriu auto-suficiência na produção de bens como papel-imprensa (...)” A oração grifada no período acima tem valor:

a) condicional;
b) conclusivo;
c) concessivo;
d) conformativo;
e) causal.

15) Colégio Naval

“No entanto parece que os freqüentadores deste cinema
Estão perfeitamente deslembrados de que terão de morrer
- Porque em toda sala escura há um grande ritmo de esquecimento e equilíbrio.”

A última oração do poema tem valor:

a) subordinativo, revelando uma idéia de causa;
b) coordenativo, traduzindo uma idéia de explicação;
c) subordinativo, denotando conclusão;
d) coordenativo, traduzindo uma idéia de tempo;
e) subordinativo, revelando uma idéia de conseqüência.

16) UNIRIO - Assinale o item em que há uma oração adjetiva.

a) Perdão, por Deus, perdão - respondeu o pombo.
b) A pombinha, que era branca sem exagero, arrulhava, humilhada e ofendida com o atraso.
c) Perdeste a noção do tempo?
d) A tarde era tão bonita que eu tinha de vir andando.
e) O pombo caminhava pelo beiral mais alto, do outro lado. Um pouco além, gritavam as gaivotas.

17) Colégio Naval

Nada sei, afinal, da tua aparência no tempo, a não ser o que me contavam em casa, desde menino: que eras ruivo como eu, que vieste em vinte e quatro, com os primeiros colonos, e abandonaste logo a tua pobre lavoura, encravada nos matos de Sapucaia, para alistar-te entre os Farroupilhas.

Pudesse eu, armado de vidência, acompanhar-te o passo, Maria Klinger; ver claramente vistas as tuas andanças de colona; como venceste as veredas e picadas; como tomaste o caminho que ia dar nos arredores da cidade; como paraste, cansada, à sombra das árvores, ou foste pedir, na tua língua de trapos, um pouco de água para a tua sede (...)

Assinale o único item que não apresenta uma oração subordinada substantiva objetiva direta.

a) “(...) a não ser o que me contavam em casa (...)”
b) “(...) que eras ruivo como eu.”
c) “(...) e abandonaste logo a tua pobre lavoura (...)”
d) “(...) como venceste as veredas e picadas (...)”
e) “(...) ou foste pedir (...) um pouco de água para a tua sede”

18) PUC - “É preciso (I) levar tudo isso em conta (II) quando se analisa o (III) que está ocorrendo em nossos dias.” A classificação das orações subordinadas sublinhadas é, respectivamente:

a) adjetiva (I), adverbial (II), substantiva (III);
b) substantiva (I), adjetiva (II), substantiva (III);
c) adverbial (I), substantiva (II), adjetiva (III);
d) substantiva (I), adverbial (II), adjetiva (III);
e) adverbial (I), adverbial (II), substantiva (III).

19) ESPCEX - Marque a alternativa que indica a correta classificação das orações sublinhadas, segundo a ordem em que estas aparecem nas frases abaixo:

1) Robertinho, com ser inteligente, não foi aprovado no concurso.
2) Não é permitido transitar por esta rua.
3) Chocou-nos o seu modo áspero de falar, embora não tivesse o propósito de ofender a pessoa alguma.

a) subordinada substantiva apositiva, subordinada substantiva completiva nominal, subordinada adjetiva;
b) subordinada adverbial conformativa, subordinada substantiva predicativa, subordinada
completiva nominal;
c) subordinada adverbial concessiva, subordinada substantiva subjetiva, subordinada substantiva completiva nominal;
d) subordinada substantiva apositiva, subordinada substantiva subjetiva, subordinada adjetiva.
Resposta: __________

20) Colégio Naval - No período: “Quando o rei Herodes mandou decapitar crianças, eu o levei na fuga para o Egito”, as orações classificam-se, respectivamente:

a) subordinada adverbial temporal / subordinada substantiva objetiva direta / principal;
b) subordinada adverbial temporal / principal;
c) principal / substantiva objetiva direta / coordenada assindética;
d) coordenada sindética conclusiva / coordenada assindética;
e) subordinada adverbial proporcional / principal.

21) UNIRIO - Em “Entende-se bem que D. Tonica observasse a contemplação dos dois”. à oração principal segue-se uma oração subordinada:

a) substantiva subjetiva;
b) substantiva objetiva direta;
c) adjetiva restritiva;
d) adverbial causal;
e) adverbial concessiva.

22) ESFAO - Que oração subordinada substantiva em destaque é completiva nominal:

1) desejo que um dia me restitua uma parte de sua estima.
2) habituei-me a considerar a riqueza primeira força.
3) pensando que os poderia refazer mais tarde.
4) e os exemplos ensinavam-me que o casamento era meio legítimo.
5) o casamento era meio legítimo de adquiri-la.

23) EFOMM - Marque a classificação correta das orações destacadas no período: “Ao analisar o desempenho da economia brasileira, os empresários afirmaram que a produção e o lucro eram bastante razoáveis.”

a) subordinada adverbial temporal - subordinada substantiva objetiva direta;
b) principal - subordinada substantiva completiva nominal;
c) subordinada adverbial temporal - subordinada adjetiva restritiva;
d) principal - subordinada adverbial final;
e) subordinada adverbial condicional - subordinada substantiva subjetiva.

24) Colégio Naval - Marque a alternativa em que a oração destacada não se encontra corretamente classificada.

a) “Parece que eu não acreditava na história” - oração subordinada substantiva subjetiva;
b) “(...) torcíamos para ele subir mais” - oração subordinada adverbial final;
c) “Lembro-me (...) desse jardim que não existe mais.” - oração subordinada adjetiva restritiva;
d) “Lá fora, uma galinha cacareja, como antigamente.” - oração subordinada adverbial
comparativa;
e) “Diziam que São Pedro estava arrastando os móveis” - oração subordinada substantiva subjetiva.

25) UNIRIO - No período “Ah, arrulhou de repente a pomba, quando distinguiu, indignada, o pombo que chegava (...)”, as duas orações subordinadas são respectivamente:

a) adjetiva e adverbial temporal;
b) substantiva predicativa e adjetiva;
c) adverbial temporal e adverbial temporal;
d) adverbial temporal e adverbial consecutiva;
e) adverbial temporal e adjetiva.

26) EFOMM - Assinale a opção em que uma oração subordinada destoa das demais:

a) Nunca souberam como ele morreu.
b) É proibido falar ao motorista.
c) Diz-se que amor com amor se paga.
d) Nunca se sabe quando ele fala sério.
e) Importa apenas que os dois se respeitem.

27) UFRRJ - “Tal era a fúria dos ventos, que as copas das árvores beijavam o chão.” Neste período, a oração subordinada é adverbial:

a) concessiva;
b) condicional;
c) consecutiva;
d) proporcional;
e) final.

28) EFOMM - “Depois que o velho morresse, não teria mais graça saltar o muro para roubar fruta na sua horta.” As duas últimas orações do período são, respectivamente:

a) subordinada substantiva subjetiva / subordinada substantiva completiva nominal;
b) subordinada substantiva objetiva direta / subordinada adverbial final;
c) subordinada substantiva objetiva indireta / subordinada substantiva completiva nominal;
d) subordinada substantiva subjetiva / subordinada adverbial final;
e) subordinada substantiva predicativa / subordinada completiva nominal.

29) CESGRANRIO - Assinale a classificação correta da oração sublinhada:

“Caíra no fim do pátio, debaixo de um juazeiro, depois tomara conta da casa deserta.”

a) subordinada adverbial temporal;
b) subordinada adverbial proporcional;
c) subordinada adverbial consecutiva;
d) coordenada sindética conclusiva;
e) coordenada assindética.

30) Colégio Naval - No período: “E era uma tal multidão de astros a tremeluzir que, juro, às vezes, tinha a impressão de ouvir o burburinho infantil de suas vozes.”, o vocábulo sublinhado introduz uma oração:

a) subordinada adjetiva explicativa;
b) subordinada adverbial causal;
c) subordinada substantiva objetiva direta;
d) subordinada adverbial consecutiva;
e) subordinada adverbial concessiva.

31) PUC - “quando eu quiser sei onde achá-lo”. As orações sublinhadas são classificadas, respectivamente, como:
I
a) adverbial / adjetiva;
b) adverbial / adverbial;
c) adverbial / substantiva;
d) adjetiva / substantiva;
e) principal / adverbial.

32) EFOMM - Todas as orações estão analisadas corretamente, exceto:

a) Sem que me ajudasses, nada poderia fazer. (sub. adverbial condicional)
b) Os empregados estavam esgotados de modo que se retiraram imediatamente.
(sub. adv.consecutiva)
c) Admira-me que não tenhas podido chegar a tempo. (sub. substantiva subjetiva)
d) “Plante, que o João garante.” (coordenada sindética explicativa)
e) Fazia um calor de fritar ovos no chão. (sub. substantiva completiva nominal)

33) ESFAO - Marque a opção correta:

Comparando-se as duas falas de Esopo:

1º “Com a língua se ensina, se persuade ... se afirma.”
2º “É a língua que mente, que esconde ... que corrompe.”

Verifica-se na estruturação a seguinte característica:

a) apenas períodos compostos por subordinação;
b) na primeira, um período composto por coordenação; na segunda, um período composto por
subordinação;
c) orações sem sujeitos, pois todos os verbos são impessoais;
d) identidade sintática, mas oposição semântica;
e) semelhança semântica, sintática e morfológica.

34) Colégio Naval

“Sai, afastando-me dos grupos, e fingido ler os epitáfios. E, aliás, gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou. Daí vem, talvez, a tristeza inconsolável dos que sabem os seus mortos na vala comum; parece-lhes que a podridão anônima os alcança a eles mesmos.”
(Quincas Borba - M. de Assis)

“(...) que a podridão anônima os alcança a eles mesmos.”uma oração:

a) adjetiva restritiva;
b) adjetiva explicativa;
c) adverbial condicional;
d) substantiva subjetiva;
e) substantiva objetiva direta.

35) UNIRIO - “(...) fi-la construir de propósito, levado de um desejo tão particular que me vexa imprimi-lo, mas vá lá.” O vocábulo sublinhado introduz oração que denota:

a) tempo;
b) causa;
c) condição;
d) comparação;
e) conseqüência.


GABARITO

01) D //
02) D //03) B //04) C //05) D //06) C //07) C //08) B //09) B //10) B //11) A //12) E //13) C //14) E //15) A //16) B //17) A //18) D //19) C //20) A //21) A22) 5 //23) A //24) E //25) E //26) A //27) C //28) D //29) E //30) D //31) C //32) E //33) B //34) D //35) E






























Comentários

  1. Estes materiais são de suma importância para ter um visão mais ampla da matéria onde e tão visada entre concurso em geral.

    Gilvam Ferreira Barbosa Informática 2

    ResponderExcluir
  2. essas materias são otima pra ter uma visao ampla sobre o assunto

    ResponderExcluir
  3. Professora Marília, meus parabéns!
    Este blog é uma riqueza de conhecimento, o melhor presente para nós alunos, e sem dúvidas deve ser valorizado sem medidas no ato de educar... :3

    Kattlen Cristina Informática 1

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O CARNAVAL DE ONTEM E HOJE

As tão sonhadas férias chegaram e...

Vamos travar a língua?